4 de fev de 2013

11 A NOVA JERUSALÉM



A esperança de Abraão estava centralizada na realização da vida numa cidade: Hebreus 11:10 – “Porque aguardava a cidade que tem fundamentos, da qual Deus é o arquiteto e edificador". Vemos em Hebreus 11:16 que essa era a esperança não só de Abraão, mas também de outros santos do Antigo Testamento: Hebreus 11:16 – “Mas, agora, aspiram a uma pátria superior, isto é, celestial. Por isso, Deus não se envergonha deles, de ser chamado o seu Deus, porquanto lhes preparou uma cidade". Observa-se que a esperança desses heróis da fé, de acordo com esse versículo, era uma cidade celestial. A mesma cidade celestial é descrita em detalhes em Hebreus 12.22-24, em que é chamada Jerusalém celestial.

Hebreus 12:22-24 – “Mas tendes chegado ao monte Sião e à cidade do Deus vivo, a Jerusalém celestial, e a incontáveis hostes de anjos, e à universal assembléia e igreja dos primogênitos arrolados nos céus, e a Deus, o Juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados, e a Jesus, o Mediador da nova aliança, e ao sangue da aspersão que fala coisas superiores ao que fala o próprio Abel.”

Em Gálatas 4.26, em que é chamada "Jerusalém lá de cima", Apocalipse 3.12, em que é chamada "cidade do meu Deus [de Cristo]" e "nova Jerusalém", e Apocalipse 21.2, em que é chamada "cidade santa, a nova Jerusalém", e Apocalipse 21.10, em que é chamada "grande e elevada montanha,.. a santa cidade, Jerusalém", ela é vista claramente como o lugar da realização de todas as esperanças dos santos da igreja.
Sem dúvida essa é a morada eterna dos santos, da igreja do Senhor.


11.1 O NOVO CÉU, A NOVA TERRA E A NOVA JERUSALÉM

Após a dissolução do céu e da terra atuais, que passarão por um estrepitoso estrondo (Ap 20:11; 2 Pe 3:10), no fim do milênio, Deus criará um novo céu e uma nova terra (Is 65.17; 66.22; 2Pe 3.13; Ap 21.1).
Por meio de um ato definido de criação, Deus faz surgir um novo céu e uma nova terra. Neste momento a cidade santa, a nova Jerusalém (celestial) desce e se insere (entroniza) num novo espaço, sim, no novo céu e na nova terra. A nova Jerusalém irá descer do espaço e se acoplará na nova terra criada por Deus.

Apocalipse 21:1-2 – “Vi novo céu e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo”.

Então será eternamente verdadeiro: Apocalipse 21:3 – “...Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com eles”. A criação do novo céu e da nova terra é o ato preparatório final que antecipa o reino eterno de Deus. Agora é verdade que Deus tem um reino no qual "habita justiça" (2Pe 3.13).

2 Pedro 3:13 – “Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça”.

Nesses novos céus e nessa nova terra, junto com a nova Jerusalém celestial, habitará a Justiça. Serão totalmente desapropriados de qualquer injustiça que outrora existia nos céus e na terra antiga.
Já se demonstrou a partir de passagens como Apocalipse 21.3 que o Senhor Jesus Cristo habitará com os homens na nova terra no reino eterno. Já que as Escrituras revelam que a igreja estará com Cristo, conclui-se que a morada eterna da igreja também será na nova terra, na cidade celestial, Nova Jerusalém, preparada especialmente por Deus para os santos.
Tal relacionamento seria a resposta da oração do Senhor aos que Deus Lhe concedeu: João 17:24 – “Pai, a minha vontade é que onde eu estou, estejam também comigo os que me deste, para que vejam a minha glória que me conferiste". Já que a glória eterna de Cristo será manifestada no reino eterno, no Seu governo eterno, é natural que a igreja esteja presente para contemplar a glorificação de Cristo para sempre.


11.2 A NOVA JERUSALÉM E A SUA GLÓRIA

Apocalipse 21:9-11 – “Então, veio um dos sete anjos que têm as sete taças cheias dos últimos sete flagelos e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a noiva, a esposa do Cordeiro; e me transportou, em espírito, até a uma grande e elevada montanha e me mostrou a santa cidade, Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, a qual tem a glória de Deus. O seu fulgor era semelhante a uma pedra preciosíssima, como pedra de jaspe cristalina”.

Apocalipse 21:19-24 – “Os fundamentos da muralha da cidade estão adornados de toda espécie de pedras preciosas. O primeiro fundamento é de jaspe; o segundo, de safira; o terceiro, de calcedônia; o quarto, de esmeralda; o quinto, de sardônio; o sexto, de sárdio; o sétimo, de crisólito; o oitavo, de berilo; o nono, de topázio; o décimo, de crisópraso; o undécimo, de jacinto; e o duodécimo, de ametista. As doze portas são doze pérolas, e cada uma dessas portas, de uma só pérola. A praça da cidade é de ouro puro, como vidro transparente. Nela, não vi santuário, porque o seu santuário é o Senhor, o Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro. A cidade não precisa nem do sol, nem da lua, para lhe darem claridade, pois a glória de Deus a iluminou, e o Cordeiro é a sua lâmpada. As nações andarão mediante a sua luz, e os reis da terra lhe trazem a sua glória”.

Apocalipse 22:3 – “Nunca mais haverá qualquer maldição. Nela, estará o trono de Deus e do Cordeiro. Os seus servos o servirão”,

É praticamente impossível descrever quão maravilhosa será a cidade santa, a Nova Jerusalém. Não existe nada neste mundo a que se possa compará-la. Sua beleza está acima de qualquer coisa que vimos nesta terra.
Poderemos destacar algumas considerações descritas nas Escrituras sobre a Cidade Santa.

·      Não haverá mais maldições (Ap 22:3; Ap 21:27) – Isto é, não haverá mais pecado, o que resultará em uma santidade perfeita. Pois foi o pecado que trouxe toda sorte de maldições. Gn 3:17.
·      Nela estará o trono de Deus e do Cordeiro (Ap 22:3) – Na Cidade Santa o Senhor exercerá um governo perfeito. De lá sairão todas as decisões, pois, lá se encontrará o trono de Deus.
·      O Senhor fará da cidade a sua própria morada (Ap 21:3; Ap 22:3)
·      A Cidade é composta com uma comparação de tudo que é de mais precioso na terra (Ap 21:11-21)
·      Nela estará a glória de Deus (Ap 21.11,23; Ap 22.5).
·      Nela não haverá noite (Ap 21:25; Ap 22:5)
·      A luz do Senhor a iluminará (Ap 21:23; Ap 22:5)
·      Ela será o centro do reino eterno (Ap 21:26; Ap 22:5)
·      Ela iluminará todos os povos que irão trazer a sua glória (Ap 21:24,26)


11.3 A GLÓRIA DOS SANTOS

Mateus 13:43 – “Então, os justos resplandecerão como o sol, no reino de seu Pai. Quem tem ouvidos [para ouvir], ouça”.

Daniel 12:3 – “Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos conduzirem à justiça, como as estrelas, sempre e eternamente”.

Apocalipse 22:3-5 – “...Os seus servos o servirão”, contemplarão a sua face, e na sua fronte está o nome dele. Então, já não haverá noite, nem precisam eles de luz de candeia, nem da luz do sol, porque o Senhor Deus brilhará sobre eles, e reinarão pelos séculos dos séculos”.

1 Coríntios 2:9 – “mas, como está escrito: Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam”.

As Escrituras nos mostram alguns relances da vida no reino eterno. Às vezes o véu é levantado para mostrar rapidamente essa vida, da qual a nossa experiência atual com Ele é apenas "uma prévia da glória divina".

·      Uma vida de comunhão com Ele – Porque, agora, vemos como em espelho, obscuramente; então, veremos face a face (1 Co 13.12). Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de velo como ele é (lJo 3.2). Voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que, onde eu estou, estejais vós também (Jo 14.3). Contemplarão a sua face (Ap 22.4).

·      Uma vida de descanso – Então, ouvi uma voz do céu, dizendo: Escreve: Bem-aventurados os mortos que, desde agora, morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem das suas fadigas, pois as suas obras os acompanham (Ap 14.13).

·      Uma vida de total entendimento – ... agora, conheço em parte; então, conhecerei como também sou conhecido (1 Co 13.12).

·      Uma vida de santidade – Nela, nunca jamais penetrará cousa alguma contaminada, nem o que pratica abominação e mentira, mas somente os inscritos no livro da vida do Cordeiro (Ap 21.27).

·      Uma vida de alegria – E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras cousas passaram (Ap 21.4).

·      Uma vida de serviço – Nunca mais haverá qualquer maldição. Nela, estará o trono de Deus e do Cordeiro. Os seus servos o servirão (Ap 22.3).

·      Uma vida de abundância – Eu, a quem tem sede, darei de graça da fonte da água da vida (Ap 21.6).

·      Uma vida de glória – Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação (2 Co 4.17). Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então, vós também sereis manifestados com ele, em glória (Cl 3.4).

·      Uma vida de adoração – Depois destas cousas, ouvi no céu uma como grande voz de numerosa multidão, dizendo: Aleluia! A salvação, e a glória, e o poder são do nosso Deus (Ap 19.1). Depois destas cousas, vi, e eis grande multidão que ninguém podia enumerar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro, vestidos de vestiduras brancas, com palmas nas mãos; e clamavam em grande voz, dizendo: Ao nosso Deus, que se assenta no trono, e ao Cordeiro [...] O louvor, e a glória, e a sabedoria, e as ações de graça, e a honra, e o poder, e a força sejam ao nosso Deus, pelos séculos dos séculos. Amém (Ap 7.9-12).

Nenhum indivíduo redimido jamais poderia entender completamente a glória do futuro que lhe está proposto. João resumiu a glória prevista ao dizer: "Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele" (lJo 3.2). Teremos um corpo igual ao corpo de sua glória, Paulo escreve: “Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória, segundo a eficácia do poder que ele tem de até subordinar a si todas as coisas”. Um corpo de glória eterna. A glória da nossa esperança é que seremos transformados à Sua semelhança, sem pecado, sem morte, experimentando um perfeito desenvolvimento.

·      Contemplarão a sua face (Ap 22:4) – Somente com um corpo de glória poderemos contemplar a plenitude de Deus, pois, neste corpo mortal é impossível ver a Deus na sua essência, seríamos totalmente destruídos. Que maravilha será ver Deus face a face.

·      Serão iluminados por Deus (Ap 22:5) – Já não precisaremos de nenhuma forma de luz humana, nem da luz do sol, porque o próprio Senhor Deus brilhará sobre nós. Hoje, dependemos da luz para termos visão das coisas ao nosso redor. Mas na glória, com Deus, sua Luz iluminará a todos. Teremos visão perfeita e conhecimento acima de toda compreensão humana.

·      Reinarão pelos séculos dos séculos (Ap 22:5) – Todos juntos reinaremos com o Senhor harmonicamente para sempre. Seremos partícipes de um Reino Perfeito de Cristo.

·      Os seus servos o servirão (Ap 22:3) – Servirão ao Senhor em todos projetos futuros que serão criados por Deus. Ele continuará a realizar coisas inimagináveis, e os seus servos serão os seus ministros, em todas as suas obras futuras.

João escreve: "Seremos semelhantes a ele" (lJo 3.2). Estaremos totalmente ocupados com Aquele "que nos ama, e, pelo seu sangue, nos libertou dos nossos pecados, e nos constituiu reino, sacerdotes para o seu Deus e Pai" (Ap 1.5-6), dando "o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos" (Ap 5.13), dizendo "O louvor, e a glória, e a sabedoria, e as ações de graça, e a honra, e o poder, e a força sejam ao nosso Deus, pelos séculos dos séculos. Amém" (Ap 7.12), pois "Digno é o Cordeiro que foi morto de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória e louvor" (Ap 5.12).
Deus será então tudo em todos, conforme está escrito em 1 Coríntios 15:28 – “Quando, porém, todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então, o próprio Filho também se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos. E para sempre continuará o eterno e perfeito estado.







DEUS ABENÇOE A TODOS.

10 O LAGO QUE ARDE COM FOGO E ENXOFRE



 


O lago que arde com fogo e enxofre é um lugar de grande tormento eterno, onde o clamor dos infelizes, que forem para lá, ecoará pelos séculos dos séculos, serão atormentados dia e noite sem descanso.

Apocalipse 14:10-11 – “também esse beberá do vinho da cólera de Deus, preparado, sem mistura, do cálice da sua ira, e será atormentado com fogo e enxofre, diante dos santos anjos e na presença do Cordeiro. A fumaça do seu tormento sobe pelos séculos dos séculos, e não têm descanso algum, nem de dia nem de noite, os adoradores da besta e da sua imagem e quem quer que receba a marca do seu nome”.

Devemos lembrar que após o milênio ocorrerá o grande Julgamento do Trono Branco. Porém existem alguns acontecimentos importantes logo após o milênio e antes do começo do juízo final. Em Apocalipse 20:11 – “Vi um grande trono branco e aquele que nele se assenta, de cuja presença fugiram a terra e o céu, e não se achou lugar para eles”. O céu e a terra vão passar, ou seja, não existirão mais. Podemos comparar esse momento com que Pedro escreveu em 2 Pedro 3:10-12 – “..., no qual os céus passarão com estrepitoso estrondo, e os elementos se desfarão abrasados; também a terra e as obras que nela existem serão atingidas. Visto que todas essas coisas hão de ser assim desfeitas, deveis ser tais como os que vivem em santo procedimento e piedade, esperando e apressando a vinda do Dia de Deus, por causa do qual os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos abrasados se derreterão”. Concluímos então que, nesse momento, os céus e a terra serão desfeitos, passarão com um estrepitoso estrondo, e já não existirão mais. Eles serão incendiados e se desfarão abrasados, podemos imaginar quão grande será esse estrondo, que formará uma grande e intensa fornalha de seus elementos sendo desfeitos devido a essa grande explosão. Alguns teólogos arriscam a dizer que daí se formatará o lago de fogo e enxofre. Logo após esses eventos, Deus vai estabelecer um grande trono branco para julgar todos os ímpios conforme suas obras. Todos os que não foram achados no livro da vida serão lançados no lago de fogo e enxofre.


10.1 QUEM ESTARÁ NO LAGO DE FOGO E ENXOFRE


O lago de fogo e enxofre é um lugar preparado por Deus para Satanás e seus anjos caídos. Irão também para lago de fogo e enxofre todos os ímpios de todas as eras. Será um lugar terrível para todos aqueles que rejeitaram a Deus. O Juízo de Deus será grandioso. Para todos aqueles que tiveram a conversão genuína em Jesus Cristo, a segunda morte não terá autoridade.

Apocalipse 19:20 – “Mas a besta foi aprisionada, e com ela o falso profeta que, com os sinais feitos diante dela, seduziu aqueles que receberam a marca da besta e eram os adoradores da sua imagem. Os dois foram lançados vivos dentro do lago de fogo que arde com enxofre.”

Os primeiros a serem lançados no Lago que arde com fogo e enxofre: o anticristo (a primeira besta) e o falso profeta (segunda besta).

Apocalipse 20:10 – “O diabo, o sedutor deles, foi lançado para dentro do lago de fogo e enxofre, onde já se encontram não só a besta como também o falso profeta; e serão atormentados de dia e de noite, pelos séculos dos séculos”.
Após o milênio, o diabo, também chamado de dragão, será lançado neste lago. Onde já se encontram o anticristo e o falso profeta.

Apocalipse 20:15 – “E, se alguém não foi achado inscrito no Livro da Vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo.”

Todos os que não foram inscritos no Livro da Vida, serão lançados no lago de fogo e enxofre, após receberem suas sentenças do grande julgamento, o Juízo Final.

Apocalipse 20:14-15 – “Então, a morte e o inferno foram lançados para dentro do lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo. E, se alguém não foi achado inscrito no Livro da Vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo”.

A segunda morte é a condenação eterna no lago de fogo, a separação eterna de Deus. A própria morte e o inferno serão lançados dentro desse lago. A morte nunca mais terá o seu poder, 1 Coríntios 15:26 – “O último inimigo a ser destruído é a morte”. E o próprio inferno onde já se encontram todos os ímpios que rejeitaram a Deus e o nome de Jesus, também será lançado no lago de fogo e enxofre, concretizando assim, a forma final da condenação eterna. Será o selo final do juízo de Deus.


10.2 A BASE DA JUSTIÇA DE DEUS

Apocalipse 21:8 – “Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte”.

Quando a Palavra de Deus refere-se aos Covardes, trata-se daqueles que temendo a desaprovação e as ameaças do povo, dão menos valor à lealdade a Cristo e à verdade da sua Palavra. A sua segurança e status valem mais para esses homens do que a fidelidade a Cristo.
A grande base de sua justiça continua a mesma, todos os homens receberam a oportunidade da salvação, pelo nome de Jesus, porém, por amarem mais as trevas, o pecado, rejeitaram a luz que veio ao mundo, recebendo assim a condenação.

João 3:18-19 – “Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más”.

As escrituras mostram que sua justiça contra todos os pecadores será terrivelmente grande. O destino dos perdidos é um lugar no lago do fogo (Ap 19.20; 20.10,14,15; 21.8).
Como o céu é um lugar e não um mero estado mental, da mesma forma os réprobos vão primeiramente para um lugar. Essa verdade é indicada pelas palavras hades (Mt 11.23; 16.18; Lc 10.15; 16.23;Ap 1.18; 20.13,14) egehenna (Mt 5.22,29,30; 10.28; Tg 3.6) — lugar de "tormento" (Lc 16.28). Onde tudo isso se culminará dentro do lago de fogo e enxofre. O fato de essa ser uma condição de miséria indescritível é indicado pelos termos figurados usados para relatar seus sofrimentos —"fogo eterno" (Mt 25.41); "onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga" (Mc 9.44); "lago que arde com fogo e enxofre" (Ap 21.8); "o poço do abismo" (Ap 9.2); "fora, nas trevas", um lugar de "choro e ranger de dentes" (Mt 8.12); "fogo inextinguível" (Lc 3.17); "fornalha acesa" (Mt 13.42); "negridão das trevas" (Jd 13) e "a fumaça do seu tormento sobe pelos séculos dos séculos, e não têm descanso algum, nem de dia nem de noite" (Ap 14.11). Devemos reconhecer que as metáforas, nessas passagens, é uma frágil tentativa de declarar em linguagem o que está além do poder de descrição das palavras. É bom observar também que quase todas essas expressões saem dos lábios de Cristo. Ele sozinho revelou quase tudo o que se sabe sobre esse lugar de tormenta.

2 Pedro 2:4 – “Ora, se Deus não poupou anjos quando pecaram, antes, precipitando-os no inferno, os entregou a abismos de trevas, reservando-os para juízo;”

Apocalipse 14:9-11 – “Seguiu-se a estes outro anjo, o terceiro, dizendo, em grande voz: Se alguém adora a besta e a sua imagem e recebe a sua marca na fronte ou sobre a mão, também esse beberá do vinho da cólera de Deus, preparado, sem mistura, do cálice da sua ira, e será atormentado com fogo e enxofre, diante dos santos anjos e na presença do Cordeiro. A fumaça do seu tormento sobe pelos séculos dos séculos, e não têm descanso algum, nem de dia nem de noite, os adoradores da besta e da sua imagem e quem quer que receba a marca do seu nome”.

Hebreus 10:31 – “Horrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo”.

Mateus 10:28 – “Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei, antes, aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo”.

Apocalipse 22:15 – “Fora ficam os cães, os feiticeiros, os impuros, os assassinos, os idólatras e todo aquele que ama e pratica a mentira”.

O castigo descrito é de tormento perpétuo. Quando a palavra de Deus nos fala que a morte espiritual é a destruição total não significa uma aniquilação total, no sentido de não existir

9 JUÍZO FINAL – O GRANDE TRONO BRANCO



  
O julgamento do grande trono branco é claramente indicado e acontecerá após o fim do reino milenar de Cristo. Este grande julgamento pode muito bem ser chamado de "julgamento final". Ele constitui o término do plano de ressurreição e de julgamento de Deus.

Apocalipse 20:11-15 – “Vi um grande trono branco e aquele que nele se assenta, de cuja presença fugiram a terra e o céu, e não se achou lugar para eles. Vi também os mortos, os grandes e os pequenos, postos em pé diante do trono. Então, se abriram livros. Ainda outro livro, o Livro da Vida, foi aberto. E os mortos foram julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros. Deu o mar os mortos que nele estavam. A morte e o além entregaram os mortos que neles havia. E foram julgados, um por um, segundo as suas obras. Então, a morte e o inferno foram lançados para dentro do lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo. E, se alguém não foi achado inscrito no Livro da Vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo”.
Esse julgamento é previsto nas Escrituras como um julgamento vindouro de Deus sobre todos os homens. Tal era a expectativa do salmista quando escreveu: Salmo 96:13 – “... porque vem, vem julgar a terra; julgará o mundo com justiça e os povos, consoante a sua fidelidade”.
Paulo corrobora a mesma verdade ao dizer: Atos 17:31 – “Porquanto estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça, por meio de um varão que destinou e acreditou diante de todos, ressuscitando-o dentre os mortos”.


9.1 OS RÉUS DO JULGAMENTO

Fica evidente com base na própria passagem (Apocalipse 20:11-15)  que esse é um julgamento dos chamados "os mortos". Demonstrou-se claramente que todos os que estavam no plano da salvação, já se completaram antes de começar o milênio. Agora haverá o julgamento de todos os que ainda não foram ressurretos, ou seja, os mortos incrédulos. Todos os que morreram sem Jesus, sem salvação, os ímpios de todas as épocas ressuscitarão para julgamento. Devemos observar que esses mortos sem Cristo, os ímpios de todas as eras, só ressuscitarão após o Milênio para o julgamento do Grande Trono Branco. Apocalipse 20:5 – “Os restantes dos mortos não reviveram até que se completassem os mil anos...”.


9.2 A BASE DO JULGAMENTO

Esse julgamento, ao contrário de uma concepção popular errada, não tem por finalidade apurar se aqueles que o enfrentam serão salvos ou não. Todos os que devem ser salvos já foram salvos e entraram no seu estado eterno. Os que serão abençoados eternamente já entraram na sua bênção. Esse é antes um julgamento das más obras dos incrédulos. A sentença de "segunda morte" é pronunciada contra eles. Apocalipse 20:12 – “Então, se abriram livros. Ainda outro livro, o Livro da Vida, foi aberto. E os mortos foram julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros”.
O julgamento das obras demonstra aqui a ausência de vida. O fato de que haverá níveis de julgamento distribuído a esses incrédulos é implicado em outra passagem (Lc 12.47,48). Mas a sentença da segunda morte será dada a todos. A segunda morte é a eterna separação de Deus, a condenação do lago de fogo.
Neste julgamento haverá a aplicação de sentença, pois, o pecador já está condenado a partir do momento que não crê no Filho de Deus como seu salvador.

João 3:18-19 – “Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más”.

Deus julgará a todos, um por um, com reta justiça. A base para seu julgamento será seu Filho Jesus, pois todos que amaram mais as trevas do que a luz, negando, assim, seu Filho Jesus, amando e se deleitando no pecado, sofrerão a condenação eterna. Naquele dia todo homem prestará contas do que fez com o Sangue de Seu Filho Jesus. Ninguém poderá se justificar na presença de Deus. Naquele Dia todo homem que não aceitou a Palavra de Deus será indesculpável. (1 Pe 4:17-18; Ef 5:5-7; Mt 8:12)

2 Tessalonicenses 1:5-9 – “sinal evidente do reto juízo de Deus, para que sejais considerados dignos do reino de Deus, pelo qual, com efeito, estais sofrendo; se, de fato, é justo para com Deus que ele dê em paga tribulação aos que vos atribulam e a vós outros, que sois atribulados, alívio juntamente conosco, quando do céu se manifestar o Senhor Jesus com os anjos do seu poder, em chama de fogo, tomando vingança contra os que não conhecem a Deus e contra os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus. Estes sofrerão penalidade de eterna destruição, banidos da face do Senhor e da glória do seu poder,”

O resultado desse julgamento fica bem claro em Apocalipse 20.15: "E, se alguém não foi achado inscrito no livro da vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo". A eterna separação de Deus é o destino eterno dos incrédulos.


9.3 OS SANTOS JULGARÃO O MUNDO E OS ANJOS CAÍDOS

De acordo com I Coríntios 6: 2 e 3, o Apostolo Paulo, afirma que os santos hão de julgar o mundo, e também os anjos, isto mostra que aqueles que vivem a palavra de Deus, além de serem salvos e viverem para sempre com Cristo, serão como um júri no grande Julgamento de Deus.

1 Coríntios 6:2-3 – “Ou não sabeis que os santos hão de julgar o mundo? Ora, se o mundo deverá ser julgado por vós, sois, acaso, indignos de julgar as coisas mínimas? Não sabeis que havemos de julgar os próprios anjos? Quanto mais as coisas desta vida”!

A palavra de Deus mostra claramente que os santos estarão presentes neste grande Julgamento do Trono Branco, para junto com o Senhor julgar os povos. A entrega das sentenças a todos os mortos sem Cristo terá a grande participação de todos os santos do Senhor. Observe também, que serão julgados os anjos, ou seja, anjos caídos que se tornaram demônios, receberão também a eterna condenação no lago de fogo. Judas 6 – “e a anjos, os que não guardaram o seu estado original, mas abandonaram o seu próprio domicílio, ele tem guardado sob trevas, em algemas eternas, para o juízo do grande Dia;”. “O grande Dia", esse deve ser o dia do Senhor, o juízo do Grande Trono Branco. Esse Julgamento sobrevém também a anjos caídos por causa do pecado de seguir Satanás na sua rebelião contra Deus (Is 14.12-17; Ez 28.12-19).
Desta forma, Deus mais uma vez manifestará grande honra para com todos os que zelaram por seu Nome e guardaram sua Palavra.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Loading